A área de plantio de feijão na primeira safra de 2021/22 deve diminuir 8%

A área de plantio de feijão na primeira safra de 2021/22 deve diminuir 8%

Chuva e fortes ventos deixaram estragos em Foz do Iguaçu e Francisco Beltrão, além de outras cidades das regiões oeste e sudoeste do Paraná, no fim da tarde deste domingo. As rajadas de vento se aproximaram dos 100 km/h. Os estragos foram causados por uma intensa linha de tempestades que passou pela região.
A Copel informou que cerca de 180 mil domicílios foram atingidos pela falta de luz nas regiões oeste e sudoeste. Forças de segurança trabalham no atendimento às famílias afetadas pelo temporal.

A Prefeitura de Curitiba recomendou, neste domingo, uma quarentena de 14 dias a passageiros que vieram de países com restrição pela Anvisa, para evitar o avanço nova variante do coronavírus, a ômicron. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o isolamento é para quem desembarcou nos últimos sete dias de Botsuana, África do Sul, Essuatini, Lesoto, Namíbia, Zimbábue, Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia. É necessário que as pessoas que estiverem nestes países entrem em contato com a prefeitura, para que sejam realizadas as testagens delas e de quem manteve contato direto. Ainda não há casos confirmados da variante no Brasil.

A área de plantio de feijão na primeira safra de 2021/22 deve diminuir 8% em relação ao mesmo período da safra 2020/21, de acordo com relatório divulgado pelo Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral). No período 2020/21, a área de plantio da primeira safra de feijão foi 152 mil hectares. Já a estimativa agora é que 140 mil hectares do produto sejam plantados. Embora a área de plantio seja menor, o relatório do Deral prevê que o volume colhido na safra atual será 7% maior que o mesmo período da safra anterior.